A GROB é parceira de desenvolvimento do BMBF no projeto de pesquisa "SOPHIE" : GROB-WERKE GmbH & Co. KG
Em setembro do ano passado, o Ministério Federal de Educação e Pesquisa da Alemanha (BMBF) aprovou a entrada do projeto conjunto de pesquisa SOPHIE no programa de desenvolvimento "Técnicas virtuais para a fábrica do futuro", que deverá contribuir para o projeto futuro da indústria 4.0. O objetivo principal do projeto, que terá duração de três anos, é unir, em tempo real, a produção com a fábrica digital.

Os executivos poderão, utilizando tecnologias virtuais, comparar processos reais e planejados durante a produção, além de garantir intervenções no decorrer do processo real utilizando simulações. A GROB é um dos parceiros industriais do projeto como "desenvolvedora", ao lado de nomes como Volkswagen AG, Festo AG e Vorwerk. Os responsáveis por tratar das questões centrais do projeto de pesquisa são os gerentes de projeto da GROB.


Eles, juntamente com sua equipe, representam a GROB-WERKE neste desafiador projeto de pesquisa do BMBF. Quais são as razões para a GROB colaborar no SOPHIE?
Primeiro gostaríamos de declarar que estamos muito orgulhosos pela GROB-WERKE ter sido escolhida como um dos parceiros do consórcio para este cobiçado projeto. Nossas razões são claras: queremos ser pioneiros no tema "indústria 4.0" e a participação no projeto nos promete um avanço inovador. Somente o fato de termos sido escolhidos já nos mostra que o nosso trabalho é reconhecido também por terceiros e que estamos na dianteira dos desenvolvimentos para o futuro. Em resumo, a participação neste projeto do BMBF é algo especial e um grande reconhecimento para nós.


Quem são os parceiros neste projeto?
A parte científica do projeto foi conduzida pela Festo Lernzentrum Saar GmbH (centro de treinamento Festo), a Universidade Técnica de Chemnitz (cadeira de planejamento e gerenciamento de fábricas), a Universidade Ruhr de Bochum (cátedra de sistemas de produção), pelo grupo de trabalho conjunto da Universidade Ruhr de Bochum e IG Metall, a GEFASOFT AG e a SimPlan AG. O projeto de pesquisa conta também com a Volkswagen AG, a Festo AG e a Vorwerk como empresas de aplicação. A Associação de Fabricantes Alemães de Máquinas e Equipamentos (VDMA) e a Siemens de Munique participam do projeto como parceiras associadas.


Sobre o que se trata de fato este projeto?
Uma vez que a produção do futuro é cada vez mais confrontada com uma crescente personalização dos produtos e com elevadas exigências de flexibilidade, ao mesmo tempo em que há uma pressão sobre os custos e menor previsibilidade do ambiente econômico, ela deve estar preparada para um número cada vez maior de adaptações de ciclos curtos no planejamento e no controle da produção. Dessa forma, as decisões devem ser tomadas com tempos de resposta cada vez mais curtos, apesar da heterogênea enxurrada de informações. Tal fato exige que as técnicas virtuais sejam baseadas em metas e, principalmente, possam ser implementadas constantemente para o suporte a processos de planejamento e controle. Diante deste contexto, o projeto SOPHIE oferece um conjunto de soluções que pode tratar destes desafios da produção.


Qual é o benefício para a GROB?
Nós da GROB também devemos nos colocar tal desenvolvimento. Com a incorporação gradual de ferramentas da fábrica digital (como os sistemas de simulação) e sistemas de informação (como ERP, BDE, MES, etc.), os nossos clientes registram uma enxurrada de informações de todos os níveis hierárquicos. Por outro lado, aplicativos de planilhas de cálculo representam, com frequência, interfaces manuais entre os sistemas e os processos. Diante deste panorama, os processos contínuos, o registro automático de dados e sua avaliação, bem como a capacidade de decisão por níveis hierárquicos e, se necessário, além dos limites empresariais, têm ganhado cada vez mais relevância para a capacidade competitiva de toda a empresa. Esperamos com o projeto SOPHIE agregar valor aos nossos clientes, que poderão operar nossos equipamentos de forma ainda mais eficiente.


Quais são nossas tarefas no projeto e o que é esperado da GROB? 
A GROB, como fabricante de máquinas, disponibilizará a "realidade" que deverá ser unida ao mundo virtual. Além desta interface, que precisará ser detalhada no decorrer do projeto, nós também ofereceremos nossos conhecimentos sobre as próprias máquinas e sua estratégia operacional ideal. Além deste tema - que está fortemente ligado ao software da máquina - nós também refletiremos sobre qual será a aparência das máquinas tendo em vista as exigências da indústria 4.0. Especificamente, a maior flexibilização requer novos conceitos, principalmente na área da automação.


O que nós podemos oferecer de forma concreta?
A experiência da GROB sobre a produção em massa altamente automatizada é, naturalmente, um importante requisito básico. Uma das competências centrais da GROB já é a capacidade de criar de forma flexível uma produção em massa muito eficiente, o que nos dá uma grande vantagem em relação aos nossos concorrentes. Este conhecimento é a base para o desenvolvimento. Além do conhecimento sobre equipamentos, temos na empresa especialistas que já possuem uma vasta experiência com o sistema de controle de produção. Esta experiência será muito útil para o projeto. Esperamos também, é claro, obter uma grande parte das soluções disponíveis ou que possamos utilizá-las como base para um desenvolvimento posterior.


O avanço esperado nos processos pode ser avaliado como economia financeira?
Certamente uma economia é desejável em cada medida. Às vezes, a imprensa identifica melhorias fantásticas na produtividade, de 20 a 30 %. É claro que objetivos ambiciosos são importantes e, além de tudo, já iniciamos em um nível muito alto com os sistemas da GROB. Trata-se, portanto, não somente de um aumento na produtividade, mas também da maximização da flexibilidade.


É a primeira vez que a GROB participa de um projeto de pesquisa desta natureza?
É o primeiro projeto financiado pelo BMBF do qual participamos. Tradicionalmente, a GROB faz seus desenvolvimentos quase que exclusivamente com recursos próprios. Porém, um projeto tão interdisciplinar como este seria impensável sem a parceria com outras empresas. É por isso que a coordenação desempenha um papel importante que pode ser desenvolvido de forma profissional apenas em um projeto conjunto.


Outras informações:
www.sophie.tu-chemnitz.de